Performance luminosa da associação entre elemento vazado, janela alta e prateleira de luz

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n29.2021.11

Palavras-chave:

desempenho lumínico; elementos vazados; janela alta; prateleira de luz; simulação computacional

Resumo

Esta pesquisa teve como objetivo investigar a performance luminosa da associação entre elemento vazado, janela alta e prateleira de luz para um ambiente interno de escritório em localidade de clima tropical úmido. Na metodologia foram feitas modelagens com o Rhinoceros3D+Grasshopper e simulações com o DIVA-for-Rhino. Como parâmetros de análises adotou-se os intervalos da UDI (Useful Daylight Illuminances), a Autonomia da Iluminação Natural (DA) e a Uniformidade. As avaliações foram feitas para Norte e Oeste para os seguintes modelos: Modelo I (elemento vazado), Modelo II (elemento vazado + janela alta) e Modelo III (elemento vazado + janela alta + prateleira de luz). Utilizando como base o Modelo III foram avaliados mais quatro modelos variando a profundidade interna da prateleira de luz. Os resultados apontaram a dificuldade de os modelos alcançarem os limites mínimos de DA (500lx) e de Uniformidade (0,6), indicando tanto a necessidade de acionamento da iluminação artificial como a existência de elevados contrastes luminosos. O Modelo III10 para Norte e o Modelo III30 para Oeste obtiveram a melhor performance em relação à UDI, garantindo iluminação adequada em cerca de 70% das horas, iluminando de maneira mais eficiente a região profunda do ambiente e admitindo baixos percentuais de iluminação excessiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gabriela Bolssoni, Universidade Federal do Espírito, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (2018). Atualmente, é Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura pela Universidade Federal do Espírito Santo. Membro do Laboratório de Planejamento e Projetos - LPP (UFES), onde desenvolve pesquisas principalmente no âmbito da iluminação natural.

Andréa Laranja, Universidade Federal do Espírito, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (1995), mestrado em Arquitetura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2000), doutorado em Ciências em Arquitetura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2010). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Espírito Santo no curso de Arquitetura e Urbanismo. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em conforto ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: eficiência energética, arquitetura bioclimática, iluminação natural e ergonomia.

Referências

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15215-4. Iluminação natural: verificação experimental das condições de iluminação interna de edificações: método de medição. Rio de Janeiro, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR ISO/CIE 8995-1. Iluminação de ambientes de trabalho – Parte 1: interior. Rio de Janeiro: ABNT, 2013.

BAKER, N.; FANCHIOTTI, A.; STEEMERS, K. Daylighting in Architecture – A European Reference Book. London: EarthscanLtd. 2010.

BOLSSONI, G.; LARANJA, A. Análise do desempenho lumínico de ambientes internos a partir da atuação de elementos vazados. XV Encontro Nacional de Conforto no Ambiente Construído (ENCAC) e XI Encontro Latino-Americano de Conforto no Ambiente Construído (ELACAC). João Pessoa, 2019a.

BOLSSONI, G.; LARANJA, A. A Influência da Refletância dos Elementos Vazados no Desempenho Lumínico. II Congesso Internacional de Arquitetura e Cidade (ARQCIDADE) e X Coletânea ARQURB. Vila Velha, 2019b.

CARTANA, R.; PEREIRA, F. MAYER, A. Estudo piloto para elementos de controle solar desenvolvidos com modelagem paramétrica e fabricação digital. Ambiente Construído, v. 18, n. 3, p. 67-82, Porto Alegre, 2018.

CHING, F. D. K. Dicionário visual de arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FIGUEIRÓ, M. A Luz e a Sua Relação Com a Saúde. Lume, São Paulo, v. 8, n. 44, jun. 2010.

FREEWAN, A. A. Maximizing the light shelf performance by interaction between lightshelf geometries and curved ceiling. Energy Conversion and Management, n.51, p.1600-1604, 2010.

FREEWAN, A. A. Y. Impact of external shading devices on thermal and daylighting performance of offices in hot climate regions. Solar Energy, v.102, p. 14-30, 2014.

GONÇALVES, J.; VIANA, N.; MOURA, N. Iluminação Natural e Artificial. Procel Edifica. Rio de Janeiro, 2011.

LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F. O. R. Eficiência energética na arquitetura. 3ª ed. São Paulo, 2014.

LAMBERTS, R.; GHISI, R.; RAMOS, G. Impactos da adequação climática sobre a eficiência energética e o conforto térmico de edifícios de escritórios no Brasil. 49p. Florianópolis: LABEEE, 2006.

MAIOLI, R. Avaliação da influência do dispositivo prateleira de luz no conforto visual em edificação comercial com entorno obstruído. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.

MARTAU, B. T. A Luz Além da Visão. Lume, v. 7, n. 38, jun. 2009.

MESA, N. A.; CORICA, L.; PATTINI, A. Evaluation of the potential of natural light to illuminate buildings in dense urban environment. A study in Mendoza, Argentina. Renewable Energy, n. 36, p. 2414-2423, 2011.

NABIL, A.; MARDALJEVIC, J. Useful daylight illuminances: A replacement for daylight factors. Energy and Buildings, London: Elsevier, v.38, p. 905 - 913, 2006.

OCHOA, Carlos Ernesto; CAPELUTO, Isaac Guedi. Evaluating visual comfort and performance of three natural lighting systems for deep office buildings in highly luminous climates. Building and Environment, v. 41, n. 8, p. 1128-1135, ago. 2006.

RAPHAEL, B. Active control of daylighting features in buildings. Computer-Aided Civil and Infrastructure Engineering, n.26, p.393-405, 2011.

REINHART, C. F.; WIENOLD, J. The Daylighting Dashboard: A Simulation-based Design Analysis for Daylit Spaces. Building and Environment, v. 46, n. 2, p. 386-396, 2011.

SANTOS, A. J. A Iluminação nos Edifícios: Uma perspectiva no âmbito do conforto ambiental e da eficiência energética. 1a ed. Lisboa: LNEC, 2014.

VITÓRIA. Lei n°. 4821, de 30 de dezembro de 1998. Código de Edificações do Município de Vitória. Vitória, 1998. Disponível em: <https://leismunicipais.com.br/codigo-de-obras-vitoria-es> Acesso em: 17 out. 2019.

Downloads

Publicado

2021-05-05

Como Citar

Bolssoni, G., & Laranja, A. (2021). Performance luminosa da associação entre elemento vazado, janela alta e prateleira de luz. Paranoá: Cadernos De Arquitetura E Urbanismo, (29). https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n29.2021.11

Edição

Seção

Tecnologia, Ambiente e Sustentabilidade