A questão dos arquivos de arquitetura e o Plano de Ação do Governo do Estado de São Paulo (1959-1963) na historiografia da arquitetura moderna

Autores

  • Luiz de Lucca Neto Universidade de São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo https://orcid.org/0000-0003-0097-1037
  • Monica Junqueira de Camargo Universidade de São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo https://orcid.org/0000-0002-7341-6352

DOI:

https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n32.2022.19

Palavras-chave:

Arquivos, Plano de Ação, arquitetura moderna, historiografia

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir a problemática atual dos acervos e arquivos de projetos e documentos de arquitetura para a pesquisa e a historiografia da arquitetura e do urbanismo, apresentando a extensão das investigações sobre o Plano de Ação do Governo do Estado em São Paulo (PAGE) e a sua contribuição para a revisão historiográfica da arquitetura moderna em São Paulo. Conduzidas ao longo das últimas duas décadas por diversos pesquisadores, as pesquisas sobre o Plano de Ação se apoiaram na investigação documental em acervos e arquivos públicos, possibilitadas pelo trabalho prévio de preservação dos documentos históricos desempenhado por instituições diversas, contribuindo, de forma decisiva, para a compreensão do modernismo arquitetônico, concentrando-se na produção  verificada em São Paulo a partir da década de 1950. Neste sentido, os documentos históricos, retomados pelos historiadores da arquitetura, constituem material elementar à pesquisa, impactando diretamente na renovação da historiografia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luiz de Lucca Neto, Universidade de São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo

Doutorando e mestre (2021) em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (FAU-USP), membro do grupo de pesquisa Cultura Arquitetura e Cidade na América Latina (Cacal-USP/CNPq). Tem graduação em Arquitetura e Urbanismo (Centro Universitário Uniseb, 2016) e em História (FFLCH-USP, 2019). Entre 2016 e 2018 atuou como membro do corpo editorial da Revista Epígrafe, do departamento de História da USP. Tem experiência em planejamento e projeto de arquitetura e urbanismo, em história contemporânea e na área de história da arquitetura e do urbanismo, com ênfase em arquitetura moderna brasileira e século XX. 

Monica Junqueira de Camargo, Universidade de São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo

Arquiteta graduada pela Universidade Mackenzie (1977), mestrado em Arquitetura pela mesma Universidade e doutorado na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (2000), livre-docência em 2009 pela mesma Universidade. Trabalhou como arquiteta de 1977a 2003 na Prefeitura do Municipio de São Paulo, pesquisando no Departamento do Patrimônio Histórico e na Divisão de Pesquisas do Centro Cultural São Paulo. Lecionou História da Arquitetura no Brasil na Universidade Mackenzie de 1987 a 2003. Desde então é professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, onde desenvolve a linha de pesquisa Arquitetura e Cidade Moderna e Contemporânea, com particular interesse à arquitetura brasileira e ao patrimônio histórico, conselheira do Conpresp no período de 2004 a 2007, e 2018 a 2020. Diretora do CPC - Centro de Preservação Cultural da USP (2014 -2018). Chefe do departamento de História e Estética do Projeto (2019 -).

Referências

ALVES, André Augusto de Almeida. Arquitetura escolar paulista 1959 – 1962: o PAGE, o IPESP e os arquitetos modernos paulistas. 2008. Tese (Doutorado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) – FAU USP, São Paulo, 2008.

BRUAND, Yves. Arquitetura contemporânea no Brasil. São Paulo, Perspectiva, 1981.

BUZZAR, Miguel Antonio (coord.) e ali. Difusão da arquitetura moderna no Brasil – O patrimônio arquitetônico criado pelo Plano de Ação do Governo Carvalho Pinto (1959-1963). Relatório do projeto de pesquisa referente ao Edital do convênio Condephaat/ Fapesp, processo – 2011/51108-0. São Paulo, 2015.

___. CAMARGO, Mônica Junqueira de. CORDIDO, Maria Tereza Regina Leme de Barros. et al. Arquitetura moderna no Estado de São Paulo: difusão e dimensão social através de equipamentos públicos produzidos pelo Plano de Ação do Governo Carvalho Pinto - PAGE - (1959-1963). São Paulo, Cultura Acadêmica, 2016. p. 101-110. In: SALCEDO, Rosío Fernández Baca; BENINCASA, Vladimir; CHAMMA, Paula Valéria Coiado; FARIA, Obede Borges, orgs. Reabilitação do patrimônio arquitetônico e edificado e sua dimensão cotidiana, São Paulo: Cultura Acadêmica, 2016.

___. CORDIDO, Maria T. R. L. de Barros. SIMONI, Lucia N. A arquitetura moderna produzida a partir do plano de ação do governo Carvalho PintoPage – (1959/1963). Artigo, Revista arq.urb, n.14, USJT. 2015.

___. CAMARGO, Mônica Junqueira de. CORDIDO, Maria Tereza Regina Leme de Barros. Os significados da mudança de paradigma arquitetônico advindo com o Plano de Ação de Governo de Estado/SP (PAGE) na gestão Carvalho Pinto (1959-1963). Recife, 2016. s.p., Seminário Docomomo Brasil(11.: 2016: Recife).. Anais: O campo ampliado do movimento moderno, Recife, 2016.

CAMARGO, Mônica Junqueira de. Artigas e a Escola Paulista. Revista arq.urb, n. 14, p. 135-155, 16 dez. 2015.

___. Escola, Paulista, Escola Carioca: algumas considerações. In ESPINOSA., José Carlos Huapaya (Org.) Revisões e Ampliações da Arquitetura e do Urbanismo Modernos no Brasil. Salvador: Editora da UFBA, 2020.

___. História: o edifício da FAU-USP e o PAGE. São Paulo, Editora da Cidade, 2016. p. 164-169. In: Barossi, Antonio Carlos, org. O edifício da FAU-USP de Vilanova Artigas, São Paulo: Editora da Cidade, 2016.

___. Inventário dos bens culturais relativos ao Plano de Ação do Governo Carvalho Pinto. Revista CPC, [S. l.], n. esp21, p. 164-203, 2016. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/111965. Acesso em: 12 out. 2020.

CERTEAU, Michel de. A Escrita da História. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1982.

COHEN, Jean-Louis. Da Afirmação Ideológica à História Profissional. Desígnio – Revista de História da Arquitetura e do Urbanismo, n.11/12, Annablume, 2011.

CORDIDO, Maria Tereza Regina Leme de Barros. Arquitetura forense do Estado de São Paulo: produção moderna, antecedentes e significados. Dissertação (Mestrado em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo) – EESC-USP, São Carlos, 2007.

COSTA, Angélica Irene da. As obras escolares do Plano de Ação do Governo do Estado (PAGE): a educação em novas formas. Tese (Doutorado em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo) – IAU-USP, São Carlos, 2014.

FERRAZ, Marcelo Carvalho. Arquitetura em vão? Sobre exposição da arquitetura brasileira em Matosinhos, Portugal. Resenhas Online, São Paulo, ano 18, n. 205.04, Vitruvius, jan. 2019. Disponível em: https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/18.205/7231. Acesso em: 28 de Maio de 2020.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do Saber. 6. ed. Rio de Janeiro, Forense-Universitaria, 2000.

GOODWIN, Philip Lippincott. Brazil builds: architecture new and old, 1652-1942. New York, The Museum of Modern Art, 1943.

GUERRA, Abílio. Construção de um campo historiográfico. São Paulo, Romano Guerra, 2010. p. 11-22 In: Textos fundamentais sobre história da arquitetura moderna brasileira – parte 1. São Paulo: Romano Guerra Editora, 2010.

HARTOG, François. Regimes de historicidade. Presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

IAB/SP, Instituto de Arquitetos do Brasil. Por uma Rede de Acervos de Arquitetura e Urbanismo. Carta aberta. Drops, São Paulo, ano 21, n. 156.04, Vitruvius, set. 2020. Disponível em: https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.156/7883. Acesso em: 23 de Dezembro de 2020.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas, Editora da UNICAMP, 1990.

LEMOS, Carlos Alberto Cerqueira. Arquitetura brasileira. São Paulo, Edições Melhoramentos/ EDUSP, 1979.

LUCCA NETO, Luiz de. Instituto Butantan, Plano de Ação e as disputas institucionais de planejamento (1959 – 1981). Dissertação (Mestrado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) - FAU-USP, 2021.

MARTINS, Carlos Alberto Ferreira (Org.). WARCHAVCHIK, Gregori. Arquitetura do século XX e outros escritos. Série Fontes da Arquitetura Moderna, volume 02. São Paulo, Cosac Naify, 2006.

SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil 1900-1990. São Paulo, EDUSP, 1997.

VIANA, Claudio Muniz. Da Concepção ao projeto de execução: a gênese documental dos arquivos de arquitetura. Ponto de Acesso, Salvador, v.9, n.2,p. 123-155, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/8328. Acesso em: 16 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2022-07-04

Como Citar

de Lucca Neto, L., & Junqueira de Camargo, M. (2022). A questão dos arquivos de arquitetura e o Plano de Ação do Governo do Estado de São Paulo (1959-1963) na historiografia da arquitetura moderna. Paranoá, (32), 1–17. https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n32.2022.19

Edição

Seção

Edição Temática: Arquivos e Acervos em Arquitetura e Urbanismo