Pensar o arquivo, insistir na cidade

Autores

  • Bruno Amadei Machado 1Departamento de Urbanismo e Meio Ambiente, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0003-0068-8530

DOI:

https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n32.2022.09

Palavras-chave:

arquivos, redes urbanas, empresas multinacionais, história urbana

Resumo

Este trabalho reflete sobre algumas das pressões que envolveram a pesquisa da documentação mantida pela empresa canadense Brazilian Traction, Light and Power Company, mais conhecida como Light. Já é sabido que a Light deteve o monopólio de algumas das principais redes técnicas urbanas do eixo Rio-São Paulo, exercendo papel determinante no grau das transformações, na mobilidade dos seus habitantes e nos vetores de expansão observados nas duas maiores cidades brasileiras ao longo da primeira metade do século XX. Por outro lado, para além dos nós rígidos que tensionam os domínios do urbano com a história de empresas de utilidade pública, que efeitos a virada arquivística é capaz de suscitar sobre as questões que formulamos, bem como a maneira como produzimos e divulgamos pesquisas sobre as cidades? Recorrendo à materialidade do arquivo físico enquanto experimenta a cidade e vice-versa, os fragmentos aqui trazidos ensaiam um dizer Arquivo que diz Estado e Cidade, que por sua vez também diz de certas violências: promessas de conservação, ameaças de destruição, esforços de memória e esquecimento, acessos, autorizações e insistências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Bruno Amadei Machado, 1Departamento de Urbanismo e Meio Ambiente, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo (EAU/UFF), especialização em Sociologia Urbana (UERJ) e mestrado em Planejamento Urbano e Regional (IPPUR - UFRJ), tendo realizado estágio de pesquisa na École de Design da Université du Québec à Montréal (UQÀM). Integra o Grupo de Pesquisa Modernidade e Cultura (GPMC - IPPUR/UFRJ). Atualmente é professor substituto do Departamento de Urbanismo e Meio Ambiente da FAU-UFRJ.

Referências

ABREU, M. de A. Evolução urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Iplanrio, 1988.

ARQUIVO NACIONAL. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

BORGES, J. L. Obras completas de Jorge Luis Borges, volume 2. São Paulo: Globo, 1999.

CHAVES, M. A. Arquivos empresariais como fonte para a produção da História. Revista de Fontes, n. 7, 2017-2, pp. 15-24.

DELEUZE, G. & GUATTARI, F. Anti-Oedipus: Capitalism and Schizophrenia. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2000.

DERRIDA, J. Archive Fever: a Freudian impression. Chicago: The University of Chicago Press, 1996.

DERRIDA, J. Archive Fever (A seminar by Jacques Derrida, University of the Witwatersrand, August 1998, transcribed by Verne Harris). In: HAMILTON, C. et al. (org.) Refiguring the Archive. Cape Town/Dordrecht: David Philip/Kluwer Academic Publishers, 2002.

DERRIDA, J. Force of Law: The “Mystical Foundation of Authority”. In: CORNELL, D.; ROSENFELD, M.; CARLSON, D.(org.). Deconstruction and the Possibility of Justice. New York: Routledge, 1992.

FOSTER, H. An Archival Impulse. October. Vol. 110, 2004, pp. 3-22.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

LAMARÃO, S. Capital privado, poder público e espaço urbano: a disputa pela implantação dos serviços de energia elétrica na cidade do Rio de Janeiro (1905-1915). Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 29, 2002, pp. 75-96.

LOBO, E. M. & LEVY, M. B. Estudos sobre a Rio Light. Rio de Janeiro: Instituto Light / Centro de Memória da Eletricidade no Brasil, 2008.

MACHADO, B. A. Cidade, mercado e memória: o Gasômetro de São Cristóvão no apagar das luzes olímpicas. In: BROUDEHOUX, A. & MENDES, M. (Org.). 10 anos de Porto Maravilha: do projeto de renovação à construção de um novo espaço de exclusão.Rio de Janeiro: Letra Capital, 2019, pp. 340-364.

MBEMBE, A. The power of the archive and its limits. In: HAMILTON, C. et al (org.) Refiguring the Archive. Cape Town/Dordrecht: David Philip/Kluwer Academic Publishers, 2002.

MCDOWALL, D. Light: a história da empresa que modernizou o Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 2008.

MORAES, M. B. Políticas de acesso e programas de divulgação dos arquivos do setor energético paulista. In: Anais do III Encontro de Arquivos Científicos. Rio de Janeiro: MAST, 2008.

NORA, P. “Between Memory and History: Les Lieux de Mémoire.” In: Representations, No. 26. Special Issue. Berkeley, CA: University of California Press, 1989.

ROLNIK, S. Arquivo-mania. Cadernos de Estudos Culturais, vol. 3, n. 5, 2011, pp. 129-139.

SANTOS, J. M. P. Os trabalhadores da Light São Paulo, 1900-1935. Doctoral thesis- IFCH/UNICAMP. Campinas, 2009.

SEABRA, O. C. de L. Os meandros dos rios nos meandros do Poder. Tietê e Pinheiros: valorização dos rios e das várzeas na cidade de São Paulo. Doctoral thesis. São Paulo: FFLCH/ USP, 1986.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar?Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

SZMRECSÁNYI, T. Resenha de: MCDOWALL, D. The Light: Brazilian Traction, Light and Power Company Limited 1899-1945. Toronto: University of Toronto Press, 1988. Business History Review, vol. 63, n. 2, 1989, pp. 444-445.

VITORIANO, M. C. de C. & MADIO, T. C. C. Uso e funcionalidade de arquivos empresariais do setor elétrico em São Paulo: o caso Light. Labor & Engenho, vol. 9, n. 1, jan/mar. 2015, pp. 135-143.

WEID, E. Chegada e expansão da Light no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FCRB / 7 Letras, 2017.

Publicado

2022-06-08

Como Citar

Amadei Machado, B. (2022). Pensar o arquivo, insistir na cidade. Paranoá, (32), 1–17. https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n32.2022.09

Edição

Seção

Edição Temática: Arquivos e Acervos em Arquitetura e Urbanismo