Uma nova busca em antigas fontes artísticas: Da importância de um novo olhar sobre arquitetura e urbanismo em antigas fontes iconográficas e textuais

Autores

  • Andrea Goncalves Moreira Bernardes Curso de Arquitetura e Urbanismo, Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas, Centro Universitário de Brasília | Instituto de Educação Superior de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n32.2022.14%20%20

Palavras-chave:

história da arquitetura e urbanismo, iconografia e memória, revisitando antigas fontes, setor de obras raras, nova história política

Resumo

Muitas vezes buscamos pesquisar o diferente, interessando-nos somente o extraordinário. O estudo do ordinário, escrito em diferentes fontes poderia nos permitir aproximar-se de uma totalidade perceptiva de épocas passadas através de uma amplificação do olhar para mesmas fontes já pesquisadas por outras perspectivas. A redundância de estudar arquitetura e urbanismo através da análise da vida e obra de arquitetos urbanistas e seus e projetos, reduz a importância da observação da fruição da polis pelo homem, da teia de significados que poderiam ser detectados diacronicamente, através de inúmeras outras fontes, configurando assim uma superposição de camadas na temporalidade. Com uma abordagem metodológica reflexiva compreensiva proposta pela nova história política poderíamos flexibilizar o uso de fontes diferenciadas de pesquisa que em geral são utilizadas por outras áreas da ciência para complementar as análises arquitetônica/urbanísticas. Principalmente aqueles setores das instituições, bibliotecas e museus, chamados de Obras Raras. Um novo olhar para um acervo riquíssimo e que nos pareceria, ainda pouco explorado. Este presente Ensaio traz como inquietude buscar constatar a existência de janelas de possibilidades que, se abertas, iluminariam de maneira significativa nossa percepção da vida humana em sociedade de como essa mesma sociedade constrói e utiliza seu espaço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Andrea Goncalves Moreira Bernardes, Curso de Arquitetura e Urbanismo, Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas, Centro Universitário de Brasília | Instituto de Educação Superior de Brasília

Possui Graduação em História pela Universidade de Brasília e Mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília, Doutoranda pela Universidade de Brasilia. Atualmente é professora do UNICEUB e do IESB (Instituto de Educação Superior de Brasília). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo, atuando principalmente nos seguintes temas: Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo, Análise de Arquitetura & Urbanismo Comparados, Arquitetura e Urbanismo Pré-colombianos, Evolução da Arte e do Design, Brasília e o Arquivo Público do DF, organização de Viagens Técnicas Culturais e produção de livros.

Referências

CALDEIRA, Júnia Marques. A praça brasileira: trajetória de um espaço urbano - origem e modernidade. 2007. UNICAMP. Disponível em: https://cpdoc.fgv.br/sites/default/files/brasilia/trabalhos/OCR_CALDEIRA.pdf Acesso em 22 jul 2020.

CUNHA, Lygia da Fonseca Fernardes da, O Acervo Iconográfico da Biblioteca Nacional; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2010.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

DASTON, Lorraine,“Objetividade e a fuga da perspectiva”, in: Daston, Historicidade e objetividade (São Paulo: Liber ars, 2017): 17-38.

KOSELLECK, Reinhart “Uma História dos Conceitos: problemas teóricos e práticos”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, nº 10, 1992, p. 134-146.

_____________ Futuro Passado: Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto/PUC, 2006.

_____________ Histórias de Conceitos: estudos sobre a semântica e a pragmática da linguagem política e social. Rio de Janeiro: Contraponto, 2020.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Moraes, 1991. (1969).

NORA, Pierre; “Entre Memória e História: a problemática dos lugares”. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, [S.l.], v. 10, out. 2012. ISSN 2176-2767. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/revph/article/view/12101>. Acesso em: 18 jul. 2020.

PEIXOTO, Gustavo. Reflexos das Luzes na Terra do Sol: sobre a teoria da arquitetura no Brasil da Independência 1808-1831. São Paulo: Pró Editores, 2000.

POCOCK, J. G. A. “Introdução: o estado da arte; O conceito de linguagem e o métier d’historien”. In: POCOCK, J. G. A. Linguagens do ideário político. São Paulo: EDUSP, 2003, p. 23-62; p. 63-82.

REZZUTTI, Paulo D. Leopoldina: a história não contada: a mulher que arquitetou a Independência do Brasil. Rio de Janeiro: LeYa, 2017.

ROSANVALLON, Pierre. “Por uma história conceitual do político; por uma história filosófica do político”. In: ROSANVALLON, Pierre. Por uma história do político. São Paulo: Alameda, 2010, p. 65-101; 39-64.

SILVA, Leopoldo. Política como moralidade: a banalização da ética. In: NOVAES, Adauto (Org.). O esquecimento da política. Rio de Janeiro: Agir, 2007, p. 83-106; p. 127-138.

SIMMEL, Georg. A Filosofia da Paisagem. (1913). Ed. LusoSofia:press. Universidade da Beira Interior. Covilhã, 2009.

SOUZA, Juliana da Costa Gomes de; FRANCO, José Luiz de Andrade. “Frederick Law Olmsted: a arquitetura de paisagens e os parques nacionais norte-americanos”. Topoi (Rio de Janeiro), v. 21, p. 754-774, 2020.

Downloads

Publicado

2022-07-04

Como Citar

Goncalves Moreira Bernardes, A. (2022). Uma nova busca em antigas fontes artísticas: Da importância de um novo olhar sobre arquitetura e urbanismo em antigas fontes iconográficas e textuais. Paranoá, (32), 1–17. https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n32.2022.14

Edição

Seção

Edição Temática: Arquivos e Acervos em Arquitetura e Urbanismo