https://www.periodicos.unb.br/index.php/paranoa/issue/feed Paranoá 2022-04-01T15:02:02-03:00 Carolina Pescatori Candido da Silva paranoa@unb.br Open Journal Systems <p style="text-align: justify;">A Paranoá é um periódico científico mantido pelo Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília que publica trabalhos de pesquisa originais dentro de um escopo multidisciplinar das diferentes áreas acadêmicas da Arquitetura e Urbanismo, incluindo: Projeto e Planejamento; Teoria, História e Crítica; Tecnologia, Ambiente e Sustentabilidade. A Paranoá publica artigos em fluxo contínuo, nos idiomas português, espanhol e inglês, e não cobra taxas sobre submissão, processamento e disponibilização dos artigos.</p> https://www.periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/41996 Torpor na aurora 2022-02-16T13:26:53-03:00 Henri-Pierre Jeudy elanerib@hotmail.com Elane Ribeiro Peixoto elanerib@hotmail.com Alice Maria de Araújo Ferreira malice4869@gmail.com Albertina Vicentini albertinavicentini61@gmail.com <p><span style="font-weight: 400;">Henri-Pierre Jeudy é sociólogo, desenvolveu sua carreira como pesquisador do Centre national de la recherche scientifique e da Maison de Sciences de l’Homme em Paris. Seus trabalhos sobre memória social e suas reflexões sobre o patrimônio cultural repercutiram entre os pesquisadores brasileiros, ensejando diálogos profícuos. Ao lado de seus trabalhos acadêmicos, Jeudy tem um percurso pela literatura, onde experimenta fusões entre sua formação teórica e suas experiências pessoais, resultando em textos-relatos como os publicados em Percorrer a cidade (2010)</span> <span style="font-weight: 400;">[</span><em><span style="font-weight: 400;">Parcourir la Ville</span></em><span style="font-weight: 400;">, 2002] e este, Torpor na aurora</span><em><span style="font-weight: 400;"> [Torpeur à l’ aurore</span></em><span style="font-weight: 400;">, 2020] que ora traduzimos. </span></p> <p> </p> <p><span style="font-weight: 400;">Neste pequeno texto, a morte é um centro de gravidade, em cuja órbita flutuam imagens memoriais, sensações corporais... temas sobre os quais nosso autor se debruçou. Nossa tradução continua uma parceria estabelecida há algum tempo, uma parceria intelectual selada pelos laços da amizade. Buscamos com a tradução de </span><em><span style="font-weight: 400;">Torpeur à l’autore</span></em><span style="font-weight: 400;"> [Torpor na aurora] nos posicionarmos eticamente diante de seu autor. Não iremos aqui discutir as importantes questões sobre a tradução e seus embates teóricos. Todavia, esclarecemos que nos pautamos pelo entendimento de que as traduções são diálogos entre culturas, um movimento que implica o sair de si em direção ao outro para, depois, retornar a si modificado (BERMAN, A. 2002). Elas também se situam entre o ofício e a arte, porque não traduzimos só discursos, mas também uma forma. Com esta disposição nos dirigimos ao encontro de Henri-Pierre Jeudy.</span></p> 2022-02-16T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Paranoá https://www.periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/41718 Patrimônio e plano diretor: as perspectivas para o patrimônio histórico em Anápolis/GO 2022-02-08T09:57:34-03:00 Mário Calaça pcjmario@icloud.com Adriana Mara Vaz de Oliveira amvoliveira@uol.com.br <p>Discute-se a política patrimonial em Anápolis-GO, cidade média localizada entre Goiânia e Brasília. Historicamente, há pouco reconhecimento do valor dos seus edifícios históricos e, após 114 anos de existência, a cidade possui apenas doze edifícios tombados e uma trajetória de destruição do seu acervo arquitetônico. Investiga-se o que o poder municipal, por meio do Plano Diretor, propõe ao patrimônio histórico da cidade. Para avaliação, elege-se o bairro Vila Industrial que possui um conjunto de edificações históricas ligadas à ferrovia e indústria. Recorre-se à pesquisa documental, com levantamento histórico e bibliográfico e análise do Plano Diretor de 2006 (revisto em 2016) de Anápolis. Assim, observa-se a fragilidade na preservação do acervo patrimonial da cidade, em que as medidas propostas pelo atual Plano Diretor não contemplam de forma satisfatória os edifícios históricos.</p> 2022-02-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Paranoá https://www.periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/41410 Marcha para Oeste: Colônias Agrícolas Nacionais 1941-1948 2021-12-29T11:39:46-03:00 Lucas Felício Costa lucascosta.arq@ufg.br <p>Este texto é uma transcrição da última apresentação realizada pelo querido professor e doutorando do PPG-FAU-UnB Lucas Felício Costa. Nesta apresentação, feita por ocasião do Minicurso da rede Cronologia do Pensamento Urbanístico, no dia 24 de setembro de 2021, Lucas apresentou aspectos de sua importante pesquisa sobre cidades novas de Colônia Agrícola. Lucas era graduado em Arquitetura e Urbanismo pela UEG (2013), mestre em Projeto e Cidade pela Faculdade de Arte Visuais - UFG (2016), doutorando em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília, tendo ingressado em 2019 sob orientação do professor Ricardo Trevisan. Professor do curso de Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Artes Visuais da UFG, era membro-articulador do projeto de extensão “Laboratório de Projetos - Projeto participativo de ampliação/melhoria habitacional no Bairro Tempo Novo na Cidade de Goiás”. Atuou no “ZÉU - Zona de Experimentações Utópicas, Escritório Público de projetos de Arquitetura, Urbanismo e Design da UFG” (2014-2016). Era pesquisador dos grupos “Entrópicos” (UFG) e “Topos – Paisagem, Projeto, Planejamento” (UnB). Lucas faleceu dia 11 de outubro de 2021, deixando esposa Fernanda e seu pequeno filho Pedro. Que a energia, o entusiasmo, a dedicação de Lucas com as atividades de ensino, pesquisa e extensão ressoem em produções futuras, por aqueles, que de algum modo, irão continuar as tramas e tessituras de suas realizações. Ao nosso querido Lucas, boas vibrações. Teremos seu sorriso e sua vivacidade para sempre em nossas memórias</p> 2021-12-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Paranoá https://www.periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/41176 Esboços de um arquivo I: Corpo ressequido 2021-12-10T12:34:16-03:00 Mário Luís Carneiro Pinto de Magalhaes mario.mag1978@gmail.com <p><span style="font-weight: 400;">Este primeiro ensaio de três, a guisa de provocação, busca o diálogo da obra de Eça de Queirós, A Relíquia, com uma tradição de reflexão sobre a memória e os corpos. Seja pelo debate sobre o arquivo em Derrida, seja por via patrimonial em Choay, ambos tributários de Freud e a literatura arqueológica desde XIX. Ao mesmo tempo, explora o arquivo de uma escrita de si.</span></p> 2022-05-09T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Paranoá https://www.periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/41004 Uma nova busca em antigas fontes artísticas: Da importância de um novo olhar sobre arquitetura e urbanismo em antigas fontes iconográficas e textuais 2022-04-01T15:02:02-03:00 Andrea Goncalves Moreira Bernardes andrea.bernardes@ceub.edu.br <p>Muitas vezes buscamos pesquisar o diferente, interessando-nos somente o extraordinário. O estudo do ordinário, escrito em diferentes fontes poderia nos permitir aproximar-se de uma totalidade perceptiva de épocas passadas através de uma amplificação do olhar para mesmas fontes já pesquisadas por outras perspectivas. A redundância de estudar arquitetura e urbanismo através da análise da vida e obra de arquitetos urbanistas e seus e projetos, reduz a importância da observação da fruição da polis pelo homem, da teia de significados que poderiam ser detectados diacronicamente, através de inúmeras outras fontes, configurando assim uma superposição de camadas na temporalidade. Com uma abordagem metodológica reflexiva compreensiva proposta pela nova história política poderíamos flexibilizar o uso de fontes diferenciadas de pesquisa que em geral são utilizadas por outras áreas da ciência para complementar as análises arquitetônica/urbanísticas. Principalmente aqueles setores das instituições, bibliotecas e museus, chamados de Obras Raras. Um novo olhar para um acervo riquíssimo e que nos pareceria, ainda pouco explorado. Este presente Ensaio traz como inquietude buscar constatar a existência de janelas de possibilidades que, se abertas, iluminariam de maneira significativa nossa percepção da vida humana em sociedade de como essa mesma sociedade constrói e utiliza seu espaço.</p> 2022-07-04T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Paranoá https://www.periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/39215 O acervo da SAGMACS no Brasil e o Fundo Lebret na França 2022-02-08T12:11:44-03:00 Lucas Ricardo Cestaro lucas_cestaro@uol.com.br Carlos Roberto Monteiro de Andrade candrade@sc.usp.br <div> <p class="resumo">A análise da atuação e das contribuições de Louis-Joseph Lebret em relação a questão urbana se ampliou na última década e repercutiu em trabalhos que incrementaram a historiografia do urbanismo no Brasil. Visando contribuir com a análise da atuação de Lebret no Brasil e a repercussão sobre questões voltadas ao planejamento urbano, &nbsp;durante os anos de 1950 e 1960, este trabalho apresenta um percurso de pesquisa que analisa as aproximações entre fontes documentais que permitiram a elucidação da relação de Lebret com a questão urbana, bem como contribuíram com a formação de profissionais para atuação na área. Para tanto, apresenta-se um quadro referencial, a partir do acervo da SAGMACS, depositado na biblioteca do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP e do acervo organizado pelo Centro Lebret-IRFED, depositado no Arquivo Nacional da França. O trabalho contribui expondo fontes documentais que permitem interação entre os arquivos visitados e a delimitação de pesquisas que aprofundam o entendimento sobre o ideário lebretiano, a atuação da SAGMACS e do Economia e Humanismo e suas contribuições na formação de profissionais, e na formulação de métodos e ideias para o campo do urbanismo e do planejamento territorial no Brasil.</p> </div> 2022-07-04T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Paranoá https://www.periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/40649 Métodos de pesquisa para a profissão arquitetônica: uma resenha crítica 2021-11-05T14:04:55-03:00 Edgardo Moreira Neto edgardo.arq@gmail.com <p>O presente trabalho apresenta uma resenha crítica do livro Research methods for the architectural profession, Métodos de pesquisa para a Profissão Arquitetônica, lançado em 2021. O livro, ainda sem tradução para o português, aborda aspectos importantes sobre as pesquisas voltadas à arquitetura, tanto no âmbito acadêmico quanto no sentido da prática profissional. O campo da pesquisa em arquitetura ainda se ressente de volumes que apontam caminhos metodológicos claros, de modo que o livro pode ser considerado uma importante peça para suprir essa demanda. A resenha se divide em cinco partes: apresentação, composição da obra, conteúdo, ponderação crítica e sobre a autora. Desenvolvemos essa resenha como duplo convite, para que se conheça sobre o livro e para que outros pesquisadores se encorajem a contribuir sobre pensamentos metodológicos da pesquisa em arquitetura, sobretudo àquelas voltadas a chamada: metodologia da pesquisa arquitetônica baseada na prática, da qual a autora é pioneira.</p> 2022-02-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Paranoá https://www.periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/40580 Pensar o arquivo, insistir na cidade 2022-02-16T07:12:27-03:00 Bruno Amadei Machado bruno@brunoamadei.com <p>Este trabalho reflete sobre algumas das pressões que envolveram a pesquisa da documentação mantida pela empresa canadense Brazilian Traction, Light and Power Company, mais conhecida como Light. Já é sabido que a Light deteve o monopólio de algumas das principais redes técnicas urbanas do eixo Rio-São Paulo, exercendo papel determinante no grau das transformações, na mobilidade dos seus habitantes e nos vetores de expansão observados nas duas maiores cidades brasileiras ao longo da primeira metade do século XX. Por outro lado, para além dos nós rígidos que tensionam os domínios do urbano com a história de empresas de utilidade pública, que efeitos a virada arquivística é capaz de suscitar sobre as questões que formulamos, bem como a maneira como produzimos e divulgamos pesquisas sobre as cidades? Recorrendo à materialidade do arquivo físico enquanto experimenta a cidade e vice-versa, os fragmentos aqui trazidos ensaiam um dizer Arquivo que diz Estado e Cidade, que por sua vez também diz de certas violências: promessas de conservação, ameaças de destruição, esforços de memória e esquecimento, acessos, autorizações e insistências.</p> 2022-06-08T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Paranoá https://www.periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/40573 A questão dos arquivos de arquitetura e o Plano de Ação do Governo do Estado de São Paulo (1959-1963) na historiografia da arquitetura moderna 2022-02-16T12:59:07-03:00 Luiz de Lucca Neto luiz.lucca.neto@usp.br Monica Junqueira de Camargo junqueira.monica@usp.br <p><span style="font-weight: 400;">Este artigo tem como objetivo discutir a problemática atual dos acervos e arquivos de projetos e documentos de arquitetura para a pesquisa e a historiografia da arquitetura e do urbanismo, apresentando a extensão das investigações sobre o Plano de Ação do Governo do Estado em São Paulo (PAGE) e a sua contribuição para a revisão historiográfica da arquitetura moderna em São Paulo. Conduzidas ao longo das últimas duas décadas por diversos pesquisadores, as pesquisas sobre o Plano de Ação se apoiaram na investigação documental em acervos e arquivos públicos, possibilitadas pelo trabalho prévio de preservação dos documentos históricos desempenhado por instituições diversas, contribuindo, de forma decisiva, para a compreensão do modernismo arquitetônico, concentrando-se na produção verificada em São Paulo a partir da década de 1950. Neste sentido, os documentos históricos, retomados pelos historiadores da arquitetura, constituem material elementar à pesquisa, impactando diretamente na renovação da historiografia.</span></p> 2022-07-04T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Paranoá https://www.periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/40520 O Patrimônio Cultural da Cidade de Herval/RS - Brasil: Investigações a partir da Documentação Histórica 2022-01-25T13:10:33-03:00 Aline Silveira alinemontagna@yahoo.com.br Anderson Pires Aires anderson.pires.aires@gmail.com Luísa Paganini Stein luisapstein@gmail.com Ana Lúcia Costa de Oliveira lucostoli@gmail.com <p class="resumo">As possibilidades de identificação e de reconhecimento do patrimônio cultural hervalense a partir da documentação histórica oficial, produzida entre o final do século XIX e as primeiras décadas do século XX, representaram a gênese deste estudo, que se insere no projeto de pesquisa Inventário do Patrimônio Arquitetônico da Cidade de Herval, Rio Grande do Sul – Brasil. A investigação debruçou-se sobre os quatorze registros textuais encontrados, publicados anualmente de 1899 a 1931, pela Intendência Municipal de Herval. As informações contidas na documentação foram tabuladas e agrupadas em quatro categorias de análise estabelecidas para este estudo, sendo elas Impostos Territoriais e Prediais, Obras Públicas, Instrução Pública e Salubridade. As narrativas presentes nesses documentos possibilitaram compreender as principais temáticas abordadas e os encaminhamentos para questões que pautavam o cotidiano da administração local no período. A partir delas, foi possível observar que as categorias de Impostos e de Obras Públicas foram as que apresentaram resultados mais expressivos para este estudo. Os resultados encontrados contribuíram para a identificação e a valoração de exemplares que integram o patrimônio cultural da cidade, repercutindo nas tomadas de decisão que visam orientar as políticas públicas voltadas à salvaguarda do patrimônio cultural hervalense.</p> 2022-06-08T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Paranoá