Como pode o “Outro” narrar? Considerações sobre viver, fazer e escrever na Antropologia.

Autores

  • Ana Clara Sousa Damásio dos Santos PPGAS-UFG

Palavras-chave:

Narrativa, Etnografia, Antropologia, Alteridade, Posicionalidade

Resumo

A partir de pesquisa de campo realizada em Canto do Buriti-PI durante três meses de 2019 para a elaboração da dissertação de mestrado questões que envolviam narrar com e sobre parentes-interlocutoras ganharam força. Afinal, como eu poderia narrar sendo parte daquela família? Como me distanciar? Como estranhar? Eu tinha que construir um “Outro” artificial mesmo sendo parte integrante dele? Após o campo processos que me mobilizavam desde o início da graduação tomaram forma. Nesse sentido, esse texto busca fazer-refletir, analisar e realizar considerações acerca do processo que envolve viver, fazer, escrever e narrar com e a partir da antropologia quando se é o “Outro”. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ABU-LUGHOD, Lila. A escrita contra a cultura. Equatorial, vol. 5, nº 8, 2018, p. 193-226.

ANZALDÚA, Glória. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Estudos Feministas, vol. 8, nº1, 2000, p. 229-236.

______. La conciencia de la mestiza/ rumo a uma nova consciência. Revista Estudos Feministas, vol.13, nº 3, 2005, p. 704-719.

ASAD, Talal. Anthropology and the colonial encounter. New York: Humanities Press, 1973.

AUGÉ, Marc (dir.) Os Domínios do Parentesco (filiação, aliança matrimonial, residência). Lisboa, Edições 70 (col. Perspectivas do Homem, n.º 2), 1978, (trad. Ana Maria Bessa, Les Domaines de la Parenté, Librairie François Maspero, 1975).

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994, p. 197-221.

BRUNER, Jerome. The narrative construction of reality. Critical Inquiry 18, 1991, pp. 1-21.

CLIFFORD, James. Introdução: Verdades Parciais. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens, EdUFRJ, 2016.

DAMÁSIO, Ana Clara. Fazer-Família e Fazer-Antropologia: uma etnografia sobre cair pra idade, tomar de conta e posicionalidades em Canto do Buriti-PI. 2020, 206 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2020.

DAMÁSIO, Ana Clara. Quais são os desafios para escrever durante o curso de graduação em antropologia? Revista Textos Graduados, vol. 1. nº 1, 2015, p. 1-14.

DAVIS, Angela. Angela Davis: An Autobiography. New York: Bantam, 1974.

EVARISTO, Conceição. Becos da Memória. Belo Horizonte: Mazza, 2006.

FAVRET-SAADA, Jeanne. Ser afetado. Cadernos de Campo, vol. 13, nº13, 2005, p. 155-161.

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: A Interpretação das Culturas. 1 ed., 13. reimpr. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOMES, Edlaine. MENEZES, Rachel Aisengart Menezes. Etnografias possíveis: “estar” ou “ser” de dentro. Ponto Urbe, vol. 3, 2008.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis: Vozes, 2015.

MIRZOEFF, Nicholas. O direito a olhar. ETD. Educação Temática Digital, vol. 18, nº 4, 2016, p. 745-768.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do Antropólogo: olhar, ouvir, escrever. Revista De Antropologia, vol. 39, nº 1, 1996, 13-37.

PEIRANO, Mariza. Etnografia ou a teoria vivida. Ponto Urbe, vol. 1, nº 2, 2008.

PEREIRA, Luena. Alteridade e Raça Entre África e Brasil. Revista De Antropologia, vol. 63, nº 2, 2020, p. 1-14.

RECK, Gregory. Narrative Anthropology. Journal Anthropology and Humanism Quarterly, vol. 8, 1983, p. 8-12.

SAID, Edward W. Cultura e imperialismo. Tradução: Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SOTTO, Felipe. Indígenas antropólogos e o espetáculo da alteridade. Série Antropologia, vol. 456, Brasília: DAN/UnB, 2016.

STRATHERN, Marilyn. Fora de contexto: as ficções persuasivas da antropologia. São Paulo: Terceiro Nome, 2013.

VIRGÍLIO, Nathan. Pensa que é só dar o de-comer? Criando e pelejando com parente e bicho bruto na comunidade do Góis-CE. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional. UFRJ, 2018.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. São Paulo: Tordesilhas, 2014.

Downloads

Publicado

05/17/2021

Como Citar

SOUSA DAMÁSIO DOS SANTOS, Ana Clara. Como pode o “Outro” narrar? Considerações sobre viver, fazer e escrever na Antropologia. Pós - Revista Brasiliense de Pós-Graduação em Ciências Sociais, [S. l.], v. 16, n. 1, 2021. Disponível em: https://www.periodicos.unb.br/index.php/revistapos/article/view/38013. Acesso em: 24 fev. 2024.